Ouvir e curtir

Essa banda poderia se chamar The Followills, visto que todos os integrantes tem o mesmo sobrenome. Sim, porque eles são três irmãos e um primo… praticamente uma “empresa familiar”.

Brincadeiras à parte, eu sinceramente acho que eles são daqueles que nossos filhos vão escutar na seção “Classic Rock” da rádio. Fazem muito sucesso na Europa e ao contrário do que eu pensava, não são britânicos… são de Nashville, Tennessee.

Ouvir e curtir

Sempre gostei muito do Bruce Springsteen e pesquisando um pouco descobri que ele já ganhou vários prêmios, sendo vinte Grammys, quatro AMA e um Oscar. É um cara muito querido nos EUA…

Hoje ele está com 67 anos, mas nem parece, porque nos shows o cara é super ativo e toca sem parar por 3 horas!

Nota:

– O guitarrista que divide os vocais com o Bruce no refrão se chama Steven Van Zandt, mas você pode reconhecê-lo de uma série chamada “Família Soprano”. Na série, Steven interpreta um mafioso Silvio Dante.

Ouvir e curtir

Essa uma é daquelas músicas que tocam em todos os bares de rock n’roll, todos sabem cantar o refrão em voz alta, mas nem todos sabem qual a banda originalmente a lançou.

Psycho Killer, lançada em 1977 pelo Talking Heads, alcançou o 92º lugar da Billboard Hot 100 e é tocada em vários filmes e séries. É bem marcada pelo contra-baixo, tem um refrão cantado em francês e um final totalmente psicodélico. Aliás, talvez sejam essas as razões de ficarmos enlouquecidos quando Psycho Killer começa a tocar no rádio/festa/show!

DIY – Caixa acústica

Pesquisando na internet à procurar de um suporte para o iPhone, achei algo bem interessante, uma caixa de som passiva. Arrisquei fazer e o resultado ficou bem legal. Dá uma olhada no vídeo abaixo para ter uma ideia do som.

A montagem é bem simples… são quatro peças de compensado 15 mm com as dimensões 75 x 75 mm, coladas, formando um bloco sólido. Antes de colar, você precisa formar o “cone” responsável por encorpar o som. Para isso, utilizei uma serra copo de ∅54 mm na 1ª peça, ∅51 mm na 2ª e Ø38 mm na 3ª peça, deixando a última lisa.

Na 3ª peça, parte superior, fiz um rebaixo de 10 mm para que o iPhone fique encaixado e um furo de Ø8 mm transmite o som para a caixa/cone. Você pode colar as peças na posição utilizando cola de madeira, assim consegue acertar tudo antes da cola secar. E pronto! Eu acabei pintando de preto o rebaixo aonde se encaixa o smartphone e o interior da caixa. Para finalizar verniz. Gostou?

Nota:

– Faça um furo guia centralizado nas três peças que serão furas com a serra copo, dessa forma quando o bloco for montado com as peças na posição certa teremos a impressão real de uma caixa de som, com todas as circunferências centralizadas;

– Lembre-se que no iPhone o alto falante fica posicionado na parte direita, portanto o furo não pode ser centralizado. Se você possui outro aparelho, verifique a posição dos alto falantes e faça as adaptações necessárias.

– Utilizei compensado, mas não vá esperando um acabamento muito bom. Ela lasca bastante e precisa ter paciência.

– No vídeo, o personagem de Star Wars guardando a caixa chama-se Darth Maul, aprendiz Sith. É um Zabrak do planeta Dathomir, que você pode conferir no Episódio I – A Ameaça Fantasma. 

Ouvir e curtir

Já postei um vídeo do ZZ Top aqui, mas esse aí é só do Billy Gibson tocando um clássico junto com Daryl Hall. O vídeo faz parte de um projeto bem interessante chamado Daryl’s House, uma espécie de estúdio particular do Daryl, que convida músicos para um jam session. A crítica aprovou a nova “forma” de reinvenção do Daryl, difícil de ver em músicos veteranos.

Não conhecia? Então dá uma olhada no site Live from Daryl’s House.

Ouvir e Curtir

Muitos sabem disso… o baixista dessa banda, conhecido como Flea, foi e é considerado um dos melhores baixista do mundo. O contrabaixo nas músicas do Red Hot é tão presente, que faz a vez de uma guitarra base deixando apenas a guitarra para riffs e solos.

Poucos sabem disso… Michael Peter Balzary, conhecido como Flea, fez algumas incursões no cinema. Ele interpretou Douglas J. Needles em Back to the Future II e Back to the Future III. Neste último, convida Marty McFly para um racha de rua e quase bate o carro. Se você assistiu a trilogia, saberá que o Marty do futuro aceitou o racha e se deu muito mal, tudo porque não conseguia lidar com provocações.